11 de ago de 2014

n

não vou escrever poesia
posso me desviar do foco
tenho que viver no mundo real
longe de qualquer amigo nagual
não olho pro lado
pois seria trapaça
encontro a constante
mas não a replicante
ó dúbia desgraça
ponho-me ajoelhado
com o pescoço prostrado
6 é o número do homem
ao qual vivo vassalo
e me diz
e aponta-me se
estou certo ou errado
feliz ou fadado
a falhar novamente

Nenhum comentário: