18 de jun de 2015

céu torpor

fortuitamente
furto balões
pra ré voar por aí
vazo galões pra esparramar
por si
como jogadas de corpo
no espaço do nada
destroem as correias no céu
  que despenca
    engolfando

Nenhum comentário: