25 de mai de 2013

San Quentin em A4

O dia em que comecei a escrever
e não parei mais
como uma manhã turbulenta
desentendida por si própria
perfeita para duas cervejas geladas
mas moldada para o cru inferno
A prisão de papel
números e absurdamentos,
embrutecido
com o olhar direcionado
tal cavalo de padeiro
esqueço minhas fórmulas
esqueço meu alcool
as duas da manhã
O sono ainda não domina
os presidiários trancafiados
que jogam todas as forças
em uma folha de papel

Nenhum comentário: