16 de jul de 2014

(círculos sincrônicos)

caminhos redondos
sem pontos finais
giros girados
no viro da vida
janelas abertas
já movem moinhos
somam-se dois
resultam em zero;
é só o infinito
visto no horizonte

Nenhum comentário: