10 de ago de 2012

Carta de amor


Seu olhar descarava essa brisa e imaculava nossa mente

Ludibriava os seres que sonhavam longamente com a felicidade momentânea de seu paladar

Suas vestes verdes desse mundo infantil são coroadas de branco pelos apreciadores do seu martírio

Que ateando fogo em seu corpo, rebelam-se contra a opressão dos muros interiores, destruindo a armadura infernal do desgosto

Sonhos revestidos de toques de trombeta angelicais, luas interessantíssimas e pausas para o fogo

Seu beijo nos faz rejuvenescer e ficar na paz, em sintonia com gaia

Irremediavelmente será parte de nossas vidas, ó amada.

Nenhum comentário: